Temos nosso próprio tempo

renato-russo-cantor-compositor-e-vocalista-do-grupo-legiao-urbana-1370608175637_564x430“Sempre em frente, não temos tempo a perder”. O que importa agora é a quantidade, não a qualidade. Temos que fazer exercícios, cuidar da pele, da casa, dos filhos, do (a) parceiro (a), trabalhar com eficiência, ter bons amigos, boas relações, bom humor… Afinal, ninguém é tão bom que não possa ser substituído. Não foi isso que aprendemos? Não é essa filosofia que seguimos? Não estamos a todo momento procurando uma forma de otimizar o tempo para sermos e fazermos o melhor possível? Gostaríamos de ser insubstituíveis.

Amanhã, o cantor e compositor Renato Russo completaria 54 anos. Já se passaram quase 18 que ele faleceu e que deixa saudades. Saudades de uma legião de fãs, que encontrou em suas músicas o gás para serem verdadeiros filhos da revolução. Com seu jeito esnobe, mas determinado, ele fez valer sua voz, seus pensamentos e inspirou a juventude dos anos 1980 e 1990 a refletir sobre esse país e essa sociedade. Mas Renato foi embora e muitos outros ocuparam as primeiras paradas nas rádios, lotaram shows, encantaram a juventude.

Todos os dias antes de dormir,
Lembro e esqueço como foi o dia.

A vida passa. As pessoas passam. Só algumas lembranças ficam de verdade. Um ou outro momento, mantemos no coração para podermos revisitar quando quisermos. Hoje, aquele cantor problemático, misterioso, desengonçado, difícil de entender e cheio de letras melancólicas, aquele trovador solitário é apenas uma lembrança. No entanto, se faz presente. Vive em cada letra pronunciada em suas canções, em cada site ou página de homenagem, em cada familiar ou amigo.

Todos os dias quando acordo,
Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo.

O que vivemos e experimentamos, não podemos mudar. O passado é imutável, irremediável. Só o presente está em nossas mãos, a fim de construir um futuro melhor. O passado a gente até visita para não errar de novo. Ou para lembrar com quem a gente pode ou não pode contar. Em vida, Renato cantou que podemos começar tudo de novo, que o caminho é um só. Para ele, não havia perda de tempo, desde que estivéssemos em constante movimento. Sempre há tempo de fazer diferente, de recomeçar, de reconstruir – inclusive o que parecia perdido ou que nos disseram que não valia a pena. Temos nosso próprio tempo e ele é a gente quem faz.

O que foi escondido é o que se escondeu,
E o que foi prometido,
Ninguém prometeu.

Nem foi tempo perdido;
Somos tão jovens,
Tão jovens.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s