O que sobrou para a intimidade?

Praia, sol, biquínis cada vez menores. Este é o retrato do verão brasileiro.
Praia, sol, biquínis cada vez menores. Este é o retrato do verão brasileiro.

Houve um tempo em que as mulheres usavam maiôs que cobriam quase tudo. Até touquinha combinando elas tinham. Porém, na nossa sociedade, quanto mais os anos passam, mais o sexo é valorizado. E isso apareceu no comportamento das pessoas, nas roupas de baixo e nos trajes de banho femininos.

Não estou aqui com o objetivo de me meter na vida de ninguém, afinal cada uma que cuide do tamanho da sua própria calcinha. Eu só quero fazer pensar. Portanto, se achou meu discurso moralista até aqui e acredita que vai se irritar antes de chegar a última linha, esteja à vontade para fechar a página.

Entre quatro paredes, cada um faz o que quer. Você pode usar calçola de vovó, calcinha comportada, fio dental, de algodão, de malha, com estampa de bichinho, transparente… E por aí vai. A lingerie é sua, oras. O namorado, marido ou acompanhante também.

O que incomoda é ver que as mulheres não guardam seus respectivos bumbuns para essas ocasiões. Parecem desejar exibi-los como um troféu. Não importa se passaram meses na academia deixando tudo no lugar ou se têm alguns furinhos a mais. Todas querem se sentir olhadas, cobiçadas. Será que só os elogios dos parceiros não são suficientes? Ao que parece, o ego precisa de mais.

Os tamanhos dos biquínis são variados – confortáveis, desconfortáveis, ousados, finíssimos, minúsculos. Tem para todos os gostos. Mas onde foi parar a elegância?

No final das contas, o que sobra para os momentos a dois? Todos já tiveram a chance de apreciar, cobiçar, criticar, elogiar e até apalpar. Muitas escancaram tudo para quem estiver interessado e até para quem não estiver. Algumas são bonitas, saradas, estão com tudo em cima. Outras estão molinhas, gordinhas, com sobras. No entanto, todas querem mostrar um pouco mais de pele. Na minha opinião, mais do que deveriam.

Não entendo bem esse desejo de mostrar. Por que isso é tão importante? Não basta guardar alguns prazeres para aquele que amamos?
Desnudar-se e compartilhar o corpo com todos é tirar da intimidade a beleza do único. Será que esse comportamento não banaliza e vulgariza a mulher? Tenho a impressão que são atitudes como essa que tornam o corpo feminino alvo de um desejo coletivo, num desrespeito com o próprio parceiro.
Anúncios

8 comentários Adicione o seu

  1. Shirlei Henrique disse:

    Só não concordei com a última parte, o desrespeito é consigo mesmo, banalizando a si mesmo, mostrando-se banal e até mesmo descartável.

    1. Natália Barros disse:

      Verdade, Shirlei. Temos desrespeitado primeiro a nós mesmos e depois quem está ao nosso redor. Boa observação. Obrigada por passar no blog!

  2. carla disse:

    Acredito mesmo que na realidade o que torna vulgar não é a roupa, ou a quantidade de tecido ou falta de tecido da roupa na qual se usa. O que torna vulgar é a “atitude”. Como assim? Vejo que durante toda a história da humanidade lutamos por liberdade e direitos iguais, muitas das mulheres que conseguiram isso foram mulheres elegantes e inteligentes. Ex: Leila Diniz de biquíni com sua famosa barriga grávida. Antes não era aceito, era extremamente vulgar, fora da moral! Hoje temos a liberdade de mostrar nosso corpo, nossa barriga de grávida ou, sarada!!O problema é como agimos, como nos mostramos. Falta elegância, estilo, saber o que usar, onde usar, em qual situação usar, se está adequado para o tipo de corpo que se tem e tantas outras coisas que se deve considerar. Não acho que a liberdade de usarmos pouca roupa acabou com nossa intimidade ou nos deixou banalizada ou vulgar. Acredito que é uma vitória poder usar o que queremos e sentimos vontade. E que devemos aprender a lidar com isso, para que nós mesmas não tornemos essa liberdade em algo vulgar, em algo que deixe de se tornar belo ….bom é minha opinião… 🙂

    1. Natália Barros disse:

      Entendo sua posição, Carla. E também penso que a atitude faz a diferença. Mas hoje o comportamento está tão banalizado, que acredito sim na vulgarização do nosso corpo. Obrigada pelo comentário e espero que volte a trazer suas reflexões. Afinal, um texto nunca está terminado. É importante ter o feedback dos leitores para ampliar a ideia.

  3. Salete de Oliveira de Barros disse:

    Quero expressar minha alegria em poder apreciar este texto que me fez voltar a ter esperança na jovem humanidade, tenho 56 anos, não tenho mais filhos adolescentes, portanto me sinto como um peixe fora d’água quando vejo tantos valores destorcido em nome da liberdade, distorções que levam a desvalorização pessoal, conceitos valorosos que viraram um oba, oba, sem nenhuma referência a individualidade.
    Obrigada Natália por acalentar meu coração em saber que ainda existe jovens como você!

    1. Natália Barros disse:

      Tia Salete, muito obrigada por sempre acompanhar o meu trabalho e por escrever palavras de tanto carinho. É uma hora ter você aqui no blog.

  4. Gostei do texto e dos comentários…. que bom que ainda temos esperança no fim desse túnel….infelizmente ao longo dos anos essa gana da mulher lutar pelos seus direitos… foi muito destorcida..virou uma guerra entre os sexos.. mulher versos homens, cada qual no seu quadrado… cada um na sua natural “função”…. eu não tenho problema perante um homem em querer ser como ele.. achaaaa.. os caras passam o dia de minuto a minuto dando coçadas no nos testículos kkkk não me imagino fazendo isso.. brincadeirinha.. o que quero dizer é q Deus nos fez como somos, distintos cada um no seu particular e com seu próprio valor e digitalis inconfundíveis, roupas, atitudes e comportamentos dizem muito si do que somos… mas o que precisa ficar bem mais sublinhado são os valores, conceitos e princípios que cada um de nós carrega até chegar no outro…. Paz e Bem !

    1. Natália Barros disse:

      Lya, fico feliz que tenha gostado do texto. Te espero mais vezes aqui no Travessia. Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s